quinta-feira, 18 de julho de 2013

Que Saudades

QUE  SAUDADES



                  Revendo "minhas imagens" antigas, encontrei esta bela foto de amigos no Ibirapuera.



Não é uma questão de saudosismo, mas senti quão importante foi o tempo de,  uma vez por semana encontrar vários tipos de modelos elétricos, RC ou livre,  de isopor ou construídos de kits ou com balsa a maneira antiga, escalas, helicópteros, quadricópteros, malucos etc... no Ginásio Ibirapuera.

Pratiquei o voo-livre em suas varias modalidades. Morando em SP, as áreas espaçosas livre de obstáculos não existem a não ser a mais de 200 kl, de  distancia. Impossível como prática constante. Incrível, que pena, só agora conclui que sou  idoso.

Bateu a saudade, palavra que só existe na língua portuguesa, mas  todos os povos a conhecem bem e  nos levam a sentir uma forte dor no coração, indescritível. Cada foto, cada dia especial, cada amigo, familiares e locais.

A foto acima é uma delas.

Um dia meu  amigo Januário Bruno me visitou e perguntou por que eu não praticava mais o aeromodelismo? Idade, falta de campos adequados, e grande parte de meus queridos companheiros já estão abitando o andar de cima. E foram muitos. Erkki, Naldoni, Serrano, Matão, Mônaco, Paulo Sampaio, Sr. Ueno, Morimoto, Cebola, Eolo, Oswaldo, Paulo Marques, André Gomide, João Mathias, Zé Careca,  Januário Bruno inclusive, enfim um mundo de nomes que a minha memória   está falhando. Me perdoem os não mencionados. 
Esta foi minha resposta a ele.

Nosso papo continuou: "Nutini, vou te levar para conhecer o pessoal do Ginásio do Ibirapuera, onde as noites de segundas-feiras (se não me esqueço), um pessoal pratica uma bela modalidade. Não requer muito espaço, coberto, bem iluminado,  protegido dos chamados chatos,  estacionamento com segurança, e no lado de fora tem sempre um encontro de motoqueiros, talvez uns 100 - uniformizados de preto,  bancas de alimentação, (lembro os belos sanduiches de pernil).    São os elétricos ou de voo -livre. O Clube Paulista de Aeromodelismo organiza, com bons dirigentes, Eduardo, Carlos, Cezar e outros esforçados, cobra um valor simbólico para cobrir as despesas pelo aluguel que o Estado exige. 

Assim conheci e pratiquei durante um bom período essa modalidade que parece ser uma grande incentivadora de novos aeromodelistas. Econômica, simples, limpa, onde voam iniciantes ou craques do RC e voo-livre indoor, uma bela e crescente família nova para mim.

E o que aconteceu? O Governo reformou o Ginásio, ficou muito bonito, tão bonito que está alugado para eventos culturais de grande publico onde as rendas são enormes. Vôlei, basquete, tênis, cantores e orquestras de toda espécie. Bom para o publico paulistano, mas para esse ESPORTE  que necessita só uma noite por semana, nunca mais conseguiu uma vaga. E acabou a festa. Nunca mais nos encontramos. Tanta luta para reconhecer pelo CND  que o aeromodelismo é um ESPORTE ?  Melhor é praticar um daqueles ou só musica? O local é administrado pela Secretaria de Esportes do Estado de SP!

È o caminho para conquistar novos jovens adeptos fãs  do aeromodelismo. Injeção da vocação para a Aeronáutica. Os nobres Militares da aviação sabem disso.

Hoje a modalidade é praticada em locais abertos, sujeitos ao bom humor de São Pedro, misturados com os modelos a Glow ou gasolina, distantes e em locais dentro de clubes fechados ou terrenos baldios. Uma pena,  principalmente para os novatos.

COMO RESOLVER?

Trabalhar junto as autoridades de sua cidade, localizando ginásios cobertos poliesportivos, incitando-os a ceder graciosamente só por uma noite ou sábados 1/2 período.
Por ser uma grande maioria de pessoas que  dispõem de uma noite para cultuar seu hobby-esporte sem ter que brigar com namorada/o,  esposa ou  amante  (não do aeromodelismo).
Faltam dirigentes que queiram  mas não podem ou não tem tempo carregar esta bandeira. É trabalhoso e só recebe em troca broncas por eventuais erros que venham a  cometer.

É um desafio, mas se necessitarem  de meus palpites, fico a disposição.

Anexo algumas fotos  de alguns amigos que guardo  em "minhas imagens".





                     O excelente André Gomide, voo-livrista de primeira que nos deixou tão cedo





                               
Januário Bruno me levou para o Ginásio Ibirapuera e foi  tão prematuramente para  a companhia  dos  inesquecíveis.






                                    Paulo Solon Ribeiro em sua oficina